COMUNIDADE QUILOMBOLA DA PONTINHA, PARAOPEBA, MG

Introdução

A comunidade da Pontinha é Remanescente de Quilombo, portanto faz parte das Comunidades Especiais Vulneráveis. A Fundação Cultural Palmares, através da Portaria nº 7 de 06 de abril de 2005 publicada no Diário Oficial da União certificou de acordo com as Declarações de Auto reconhecimento e os processos em tramitação naquela Fundação Cultural Palmares AComunidade da Pontinha, localizada no município de Paraopeba, Estado de Minas Gerais Livro   002, registro nº 127, f. 32. Ela é constituída por cerca de 250 casas, 350 famílias totalizando aproximadamente, 2.000 pessoas, e localiza-se a 15 quilômetros da sede urbana de Paraopeba.

Histórico e Antecedentes

De acordo com a história oral, os moradores são descendentes de Chico Rei, o que é motivo de orgulho para a comunidade.  A Fundação Cultural Palmares, através da Portaria nº 7 de 06 de abril de 2005 publicada no Diário Oficial da União certificou de acordo com as Declarações de Auto reconhecimento a Comunidade da Pontinha como remanescente de Quilombo.  Segundo ÁLVARES, Ricardo: “Na região sudeste deste núcleo se situam os principais equipamentos públicos, tais como capela, escola, posto de saúde (desativado), sede da associação comunitária, praça pública, quadra esportiva, campo de futebol, dois pontos de ônibus e três dos diversos bares existentes na comunidade, além de dois banheiros públicos destinados a ocasiões festivas. A capela de Nossa Senhora do Rosário, padroeira local e em honra da qual funciona a Guarda de Congo (congado) existente na comunidade se encontra no centro da praça, ao passo que os demais equipamentos citados, com exceção de um dos pontos de ônibus (também na praça), se encontram no seu entorno. Este é o único espaço que conta com pavimentação asfáltica, realizada em 2006.” Segundo o mesmo autor, além da área descrita acima, existe ainda a região denominada de “larga” ou “comum da Pontinha”. Trata-se de área de uso comum, formada pela maior parte do território ainda disponível.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *